Manual de exames
Nome: CURVA DE GLICOSE E INSULINA APÓS GLICOSE
Material: soro
Sinônimo: Curva glicêmica com dosagem de insulina
Volume: 1.0 mL plasma e soro
Método: Quimioluminescência e Enzimático
Coleta: Após jejum de 8 horas, punção venosa com cateter e repouso de 20 minutos. Coletar amostra basal para dosagem de glicose e insulina (plasma fluoretado e soro respectivamente). Administrar via oral 75 gramas de glicose (adulto) e para crianças 1,75/kg de peso. Coletar amostras de sangue (plasma fluoretado e soro) nos tempos 0,30,60,90,120 e 180 minutos. Dosar Glicose e Insulina em todas as amostras. Obs: manter o paciente 3 dias antes com dieta rica em carboidratos.
Interpretação: Uso: avaliação dos níveis circulantes de insulina. Níveis elevados de insulina na presença de concentrações baixas de glicose podem ser indicativos de hiperinsulinismo patológico. Níveis elevados de glicose em pacientes em jejum, com concentrações de glicose normais ou elevadas, e resposta exagerada de insulina e glicose quando da administração exógena de glicose, são características de formas de intolerância à glicose, diabetes mellitus ou outras condições de resistência à insulina. Avaliação dos distúrbios do ouvido interno. Avaliação metabólico do paciente com labirintopatia.
Referência: Glicemia basal entre 75,0 a 110,0 mg/dL e glicemia inferior a 140 aos 120 minutos. Insulinemia basal entre 2,6 a 24,9 uUI/mL Considerado patológico seg. Bittar R.: Glicemia < 55,0 mg em qualquer momento do exame. Glicemia entre 145 e 200 mg/dL na 2ª hora do exame Insulinemia de jejum > 50,0 uUI/mL Soma das insulinemias da 2ªe 3ª hora > 60,0 uUI/mL