Manual de exames
Nome: FENITOÍNA
Material: soro
Sinônimo: Hidantoína, Difenilhidantoína
Volume: 1.0 mL
Método: Turbidimetria
Coleta: Jejum não necessário. Colher antes de uma das tomadas do medicamento (2 h antes) ou conforme orientação médica. Hemólise e lipemia podem atuar como interferentes.
Interpretação: Uso: monitoramento de níveis terapêuticos e toxicidade da droga. A fenitoína (difenilhidantoína) é uma droga indicada para o tratamento de quase todos os tipos de epilepsia. Na prática, pode ser difícil para o clínico prescrever uma dose de fenitoína para um paciente, uma vez que a droga exibe características farmacocinéticas não lineares e muito particulares, devido às grandes diferenças individuais nos parâmetros cinéticos. Assim, o monitoramento das concentrações séricas da droga é muito importante no estabelecimento do regime medicamentoso adequado de acordo com a condição clínica do paciente. A principal via de excreção da droga é pela eliminação renal de uma forma glucoronídeo e de para-hidroxi-fenil-hidantoína (HPPH). A fenitoína é hidroxilada no fígado e excretada na urina. A conversão a HPPH é realizada por uma via química saturável tanto que, eventualmente, mínimos incrementos na dosagem podem induzir a aumentos consideráveis nos níveis plasmáticos da fenitoína. Existe considerável volume de dados relativo a interações medicamentosas da fenitoína e outros medicamentos; os efeitos tóxicos são variados dependentes da concentração plasmática.
Referência: Niveis terapeuticos :10,0 a 20,0 ug/mL Niveis toxicos : > 20,0 ug/mL