Manual de exames
Nome: BORRELIA BURGDORFERI (Doença de Lyme)
Material: soro
Sinônimo: Doença de Lyme, Borreliose
Volume: 2,0 mL
Método: Quimioluminescência
Coleta: Jejum obrigatório. Coletar sangue total sem anticoagulante, esperar retrair o coágulo. Centrifugar, separar o soro e enviar sob refrigeração. Pode ser realizado no plasma e no LÍquor (LCR) modificar material na hora do cadastro.
Interpretação: Uso: diagnóstico de doença de Lyme. A doença de lyme é uma doença multissistêmica de etiologia infecciosa causada pelo microorganismo Borrelia burgdorferi e é transmitida ao homem e animais pela picada de carrapatos Ixodideos .Foi descoberta nos Estados Unidos da América do Norte há 15 anos e desde então tem sido diagnosticada em vários países. No Brasil,apesar de ser pouco conhecida, já existem suspeitas de que poderá se tornar um sério problema. O cão e os animais silvestres representam o foco natural da doença. A transmissão se dá pela picada de carrapatos, que levam a enfermidade do animal doente para outros animais e o homem. A doença se manifesta com uma irritação local da picada podendo desenvolver uma lesão de pele (mancha rosada) que vai aumentando com o tempo. Podem aparecer náuseas , dores de cabeça, na nuca, nas juntas e músculos, febre e cansaço. Se não houver tratamento , a doença de Lyme poderá atingir o sistema nervoso, provocando meningite, paralisia facial ( paralisia de Bell) e outros problemas com os nervos cranianos. Fraqueza e ou dor nas mãos,braços, pés e/ou pernas. Distúrbios cardíacos, também, podem aparecer após poucas semanas do EM, como bloqueio atrioventricular, miocardite aguda ou aumento da área cardíaca. Meses após os sintomas inicias, podem surgir edemas articulares, principalmente dos joelhos, que desaparecem e reaparecem durante vários anos. A doença pode ficar latente por longos períodos, após os quais apresenta manifestações neurológicas crônicas tardias, como encefalopatias, polineuropatia ou leucoencefalite. No líquido encefaloraquidiano, encontram-se pleocitose linfocítica e proteínas elevadas.
Referência: Anticorpos IgG : Não reagente IgM : Não reagente Atenção: Nova metodologia a partir de 22/10/2009.